As borboletas…

A minha dor. É assim que chamo o que sinto dentro de mim cada dia do amanhecer ao anoitecer. Quando te perdi filha, meu coração secou. Olhei ali, dentro de mim e vi somente uma rocha. Dura…seca…morta…
Desde aquele dia jamais tive vontade ou coragem de toca-la. Simplesmente sabia que ela estava ali, pelo pulsar da dor, pelo peso seguro pelo pêndulo da saudade, pelo tinir de minha alma ao lembrar que te perdi. Sei onde ela fica, onde retumba dentro de mim cada vez que por um segundo lembro daquele dia. Não ouso, não quero, não vou ao menos tentar desvendar o que pesa tanto dentro dessa pedra pesada e morta que carrego no lugar onde antes abrigava um coração resplandecendo amor maternal por ti minha pequena. Surpreendentemente ao arregalar meus olhos hoje, no amanhecer de mais um mês sem você, fiquei a sentir a latejante dor da saudade. Por alguns minutos permaneci acariciando a pedra morta aconchegada no meu peito. Percebi que em seu balançar havia algo a mais que somente dor. Senti uma fissura se rompendo, e dela, saíram inúmeras borboletas, lindas, resplandecendo e semeando o amor que morava ali. Meu amor por ti Helena. Ele não estava morto ou seco como eu pensei. Estava se fortalecendo, se transformando…
Está forte como nunca. Hoje vivo o amor a distancia, sem nem saber se você compreende tamanho sentimento. Hoje o amor que foi estancado pela dor naquele dia, se transformou em algo diferente, não maior, não mais forte ou mais lindo. Simplesmente diferente. Como uma lagarta, que entra em um casulo, para se modificar. Assim é meu amor. Em seus olhos, em seu cheiro, ele brotou. E agora inspirado em você, ele bate asas, e tenta sair de meu peito e chegar a tantas outras mães sofredoras como eu. A tantos outros inocentes como tu. Devagar, voando silenciosamente ele vai tentando tocar outras rochas e transforma-las em lindas flores de amor como foram um dia. Obrigada minha Helena, por ensinar a mamãe a ser melhor ou ao menos tentar ser. Se um dia minha alma ganhar o céu, para te reencontrar, vai ser alada por esse amor transformador que fecundou junto contigo.

Te amo para sempre
Mamãe

AUTHOR: Tatiana Maffini
No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.