Às vezes, eu só queria deixar de existir…

Não, as pessoas não me entendem. Pensam que quero me matar…mas não é.

Eu só queria não existir, nunca ter existido.

Dói tanto não ter a Helena aqui que chego a pedir para Deus que ( demore mais uns 30 anos no mínimo) leve minha mãe antes de levar a mim.

Pois a dor que uma mãe sente ao perder um filho é imensurável, é terrível, é horrível…não tem NADA de bonito ou poético. Prefiro eu sofrer a perda de minha amada mãe do que vê-la sofrer a minha.
Minha mãe já perdeu tanto…uma filha com 22 anos, a mãe, o pai, duas netinhas…
E também penso no futuro, sabem?
Penso que a cada dia que vivo com o Helano é um a menos para viver com ele e um a menos para ir viver com a Helena.
Como agüento sentir a vontade enorme de ir para junto de minha primogênita e ao mesmo tempo essa vontade enorme de ficar com o Helano?
Imagino o quanto ela está ansiosa em me reencontrar, ao pai dela e o maninho…
Mas ao mesmo tempo, quando eu for para junto da Helena, imagino o quanto o Helano irá sofrer a minha ausência…
Nossa família vai se reunir novamente um dia, e estará completa pela eternidade, mas será aos poucos e sempre um estará sofrendo aqui deste lado da vida…
AMO meus filhos, amo meu esposo, minha mãe, meu pai, irmãs…
Mas às vezes, só queria deixar de existir, como uma luz que se apaga de repente e sumir do mundo…

AUTHOR: Tatiana Maffini
No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.