Como é perder um filho?

 

A parte lúcida da sua cabeça vai continuar igual, pode ter certeza que você saberá todas as tarefas diárias, você acordará, comerá, caminhará, trabalhará, mas tudo isso será apenas um mecanismo de defesa de seu corpo tentando dizer a você que sua vida continua a mesma, você fará tudo mecanicamente e mesmo assim fará, mas dentro de você, será uma espera, uma espera de que tudo acabe e finalmente você possa se unir novamente ao pedaço de seu coração que está no céu. Você vai pensar a cada dia vivido que ele é um dia a menos nesse sofrimento e tristeza que sua vida se tornou, pode acreditar você não vai querer lembrar do que aconteceu, cada anoitecer será uma briga de você com você mesmo, é nessa hora que os pensamentos começam a querer voltar para algumas horas que você quer esquecer. Se será a sua vida? você saberá que sim, mas sua alma vai suplicar para ser tudo um engano, um erro, um pesadelo. Cada vez que você olhar as roupas de seu bebê, o quarto dele vazio, um foto dele, você vai implorar a Deus para que não seja verdade, você vai viver uma meia vida, metade de você estará morta, e a outra metade vai tentar fazer com que você não perca a sanidade em meio a tanta dor, você com você mesmo vai viver em uma guerra constante pela sobrevivência, o lado de seu pensamento vai tentar provar que tudo o que aconteceu é uma mentira e por um certo temo você se esforçará para acreditar que é a verdade, que não aconteceu, mas infelizmente isso é como uma droga de enfeito curto, sim isso mesmo, te esconderá da verdade, mas mesmo assim será um espaço de tempo curto perto do tempo que terá que viver sem seu filho, pode acreditar, seu cérebro por melhor que ele seja, não conseguirá segurar as lembranças por muito tempo, você pode trabalhar, ficar exausto e um pouco mais, mesmo assim a hora em que você deitar na sua cama e por sua cabeça no travesseiro, seu corpo moído pela rotina exaustiva vai descansar, mas na sua cabeça virão imagens do dia que você mais quer esquecer, toda noite será uma luta para adormecer, se ao menos houvesse um botão para desligar…seu corpo vai ficar ali deitado, sua alma também vai estar ali, espremida entre seus ossos, sofrendo, implorando, suplicando para que seja a história de outra pessoa, e no silencio da noite o seu coração e a sua alma vão dizer a você: “-Foi você sim, aquele dia…sim…sim..era ela(e)” você será sufocado por uma dor e angústia, você saberá que não há mais o que fazer além de trancar tudo isso dentro de seu peito e honrar a memória de seu filho apenas conseguindo sobreviver…

Por Tatiana Oliveira

AUTHOR: Tatiana Maffini
No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.