Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

 A coisa mais injusta com uma mãe que perde um filho

A perda se acoplou em mim feito um parasita. Uma homeostase que parece perfeita. Um encaixe onde não se sabe onde começa um e termina o outro. Uma simbiose que mimetiza dias corriqueiros mas esconde o quão injusto o luto pode ser. De fora, quem me vê, acha que superei: “ lá vai ela, de batom vermelho, sorrindo, trabalhando, até grávida de novo está”. Por dentro, um cansaço inesgotável, uma impotência sem fim e um medo desumano de ouvir: “ tu tem outros filhos?’” Diante de Vicente, parece – para os outros- que Martin não tem vez. “ não era pra ser”, “ agora vai ser tudo certo”. Que garantias a vida nos dá? Mas Martin sempre será a presença  da ausência. Que cor seriam os olhos dele? Como seria o sorriso? Qual seria a primeira palavrinha que ele estaria falando? Eu sempre odiei o futuro do pretérito. Tudo aquilo que poderia ter sido, não fosse a morte batendo na nossa porta. É, eu sei. Parece que “ tá tudo bem nesse novo bem”. Mas, em alguns momentos, diante do silêncio da noite, de uma lembrança em formato de choque da tragédia, queria muito pedir pra vida parar;  para as pessoas me darem um tempo; poder me aninhar em um canto, e esperar. Talvez romper barreiras e poder atravessar esse céu… só para ver Martin sorrir e brincar. Que fossem poucos minutos. A vida não para, mesmo que seguir a vida seja a coisa mais injusta com uma mãe que perde um filho. Gestar um novo filho traz esperanças, sim. Faz a vida ter uma espécie de recomeço. Mas não, nunca haverá um futuro perfeito, onde eu tenha meus três filhos comigo. Somente o futuro do pretérito.

Neusa, mãe do Franscisco, do anjo Martin e do Vicente (a caminho)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais

Qual é o tempo NECESSÁRIO para se despedir de um filho?

Qual é o tempo NECESSÁRIO para se despedir de um filho?

A chimpanzé Natalia, de 21 anos, perdeu seu segundo filhote após 14 dias do nascimento e há mais de três meses ela o carrega consigo enquanto cumpre sua rotina diária.

Fases do luto?

Fases do luto?

A psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross publicou em 1969 o livro "Sobre a morte e o morrer", onde categorizou as reações psicológicas e as mudanças comportamentais de pacientes terminais, desde o momento

No mês das mães, como me definir neste papel?

No mês das mães, como me definir neste papel?

Refleti muito nos últimos dias sobre a maternidade e como me definir nesse papel, especialmente neste mês. Mãe enlutada, mãe de anjo, mãe de estrela... Percebi que, na busca por

 A coisa mais injusta com uma mãe que perde um filho

 A coisa mais injusta com uma mãe que perde um filho

A perda se acoplou em mim feito um parasita. Uma homeostase que parece perfeita. Um encaixe onde não se sabe onde começa um e termina o outro. Uma simbiose que

Ayla é a luz que ilumina nossos caminhos, é força, é motivação para não desistirmos.

Ayla é a luz que ilumina nossos caminhos, é força, é motivação para não desistirmos.

Minha amada e desejada menina. Ayla V. Gomes nasceu no dia 01/09/21, às 8:20 da manhã, pesando 3,260kg. Nasceu de parto normal induzido; infelizmente, houve negligência durante a indução e

Como será voltar ao trabalho?

Como será voltar ao trabalho?

Começo com esta pergunta, pois eu mesma me questionava: Como poderia ser normal voltar ao trabalho? Nada fazia sentido, nada parecia ser normal! Como encontrar sentido em retornar às rotinas