Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Fases do luto?

A psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross publicou em 1969 o livro “Sobre a morte e o morrer”, onde categorizou as reações psicológicas e as mudanças comportamentais de pacientes terminais, desde o momento em que são informados de sua doença até a hora da morte, em cinco estágios típicos: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. O “Modelo de Kübler-Ross” ou “As fases do morrer” ficou popularmente conhecido como “As cinco fases do luto”, difundido e cobrado socialmente como uma linearidade de vivência com final previsto em determinado tempo.

Muitos pais e mães que perdem filho se identificam com as fases do luto, pois os sentimentos que as nomeiam, como a raiva e a negação, são vividos no processo. Além disso, entre as diversas emoções que surgem, parece fazer sentido que toda a devastação tenha um início, meio e fim predefinidos. A previsibilidade nas fases a serem vivenciadas pode trazer uma certa estabilidade reconfortante, para quem se encontra perdido no caos da perda. No entanto, o luto é muito além disso.
O processo de luto pela perda de um filho é uma jornada de readaptação e ressignificação constante. Os gatilhos podem provocar sentimentos como no início do processo de luto, mesmo após anos, provocando emoções ambíguas e que se chocam umas com as outras ou se sobrepõem, como quando se sorri ao lembrar do filho ao mesmo tempo em que se está enlutado por sua ausência, ou quando se está feliz conversando sobre algo leve e, de repente, todas as “fases do luto” surgem de uma vez só.
É importante refletir também que socialmente a ideia de vivenciar o luto de forma organizada é mais aceitável, e que, muitas vezes, a pressão social para seguir as fases surge porque se espera que os enlutados superem a perda de forma ordenada, previsível e rápida.
No entanto, a realidade é que o luto não se limita a uma área da vida, a uma série de estágios ou tempo cronológico preestabelecidos. Ele exigirá cuidados desde o acolhimento à dor na hora da perda e da realidade ao acordar diariamente, até a gentileza consigo mesmo ao longo do dia, validando cada sentimento e pensamento que surgir.
Desejamos que aqui, e em outros lugares, você encontre informações e cuidado para se tornar protagonista do seu processo de luto. E saiba que pode contar conosco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais

Qual é o tempo NECESSÁRIO para se despedir de um filho?

Qual é o tempo NECESSÁRIO para se despedir de um filho?

A chimpanzé Natalia, de 21 anos, perdeu seu segundo filhote após 14 dias do nascimento e há mais de três meses ela o carrega consigo enquanto cumpre sua rotina diária.

Fases do luto?

Fases do luto?

A psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross publicou em 1969 o livro "Sobre a morte e o morrer", onde categorizou as reações psicológicas e as mudanças comportamentais de pacientes terminais, desde o momento

No mês das mães, como me definir neste papel?

No mês das mães, como me definir neste papel?

Refleti muito nos últimos dias sobre a maternidade e como me definir nesse papel, especialmente neste mês. Mãe enlutada, mãe de anjo, mãe de estrela... Percebi que, na busca por

 A coisa mais injusta com uma mãe que perde um filho

 A coisa mais injusta com uma mãe que perde um filho

A perda se acoplou em mim feito um parasita. Uma homeostase que parece perfeita. Um encaixe onde não se sabe onde começa um e termina o outro. Uma simbiose que

Ayla é a luz que ilumina nossos caminhos, é força, é motivação para não desistirmos.

Ayla é a luz que ilumina nossos caminhos, é força, é motivação para não desistirmos.

Minha amada e desejada menina. Ayla V. Gomes nasceu no dia 01/09/21, às 8:20 da manhã, pesando 3,260kg. Nasceu de parto normal induzido; infelizmente, houve negligência durante a indução e

Como será voltar ao trabalho?

Como será voltar ao trabalho?

Começo com esta pergunta, pois eu mesma me questionava: Como poderia ser normal voltar ao trabalho? Nada fazia sentido, nada parecia ser normal! Como encontrar sentido em retornar às rotinas