Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Qual é o tempo NECESSÁRIO para se despedir de um filho?

A chimpanzé Natalia, de 21 anos, perdeu seu segundo filhote após 14 dias do nascimento e há mais de três meses ela o carrega consigo enquanto cumpre sua rotina diária. Isso nos lembra da orca que carregou o filhote morto por mais de 17 dias e de inúmeras cenas de elefantes enterrando filhotes que morrem após realizarem uma espécie de ritual de despedida.

Isso nos traz a reflexão que quando nos despedimos definitivamente de um filho, somos confrontados com uma dor tão intensa que não pode ser explicada ou resolvida apenas racionalmente, porque não somos apenas cérebros processando informações: somos seres sociais, com emoções, sentimentos e pensamentos, cuja dor pela perda de um filho ecoa em cada fibra do nosso ser. Ela se manifesta não apenas em pensamentos, mas em sentimentos viscerais, comportamentos e reações nos níveis mais profundos de nós, levando a um estado de sofrimento que ultrapassa a lógica e a racionalidade.

A perda de um filho transcende a capacidade racional de compreensão e processamento de maneira brutal, não diferenciando humano e animal, ser racional ou irracional, já que o amor independe das capacidades cognitivas. Essa experiência de perda é universal e, ao mesmo tempo, profundamente pessoal, cada pessoa enfrenta o luto de maneira única, mas o aspecto irracional da dor é uma constante.

Nesse momento, nós, seres humanos, mesmo com anos de evolução, temos a mesma resposta irracional que um animal: “Ninguém vai me separar de você!”

Embora não possamos racionalizar a dor da perda, podemos seguir o exemplo dos elefantes, que permanecem presentes uns para os outros, oferecendo conforto e compreensão nesses momentos em que as palavras e a razão falham.

O que percebemos na vivência social do luto é a pressa, o silenciamento, a pressão pelo esquecimento, pelo deixar descansar, por não ir mais ao cemitério, ao mesmo tempo em que compreendem a necessidade do período que um animal precisa para se despedir de um filho e aceitar sua partida:

“Nos primeiros dias, dava para ver claramente que era um filhote, e que estava morto. A grande maioria das pessoas ficava surpresa, mas compreendeu — e demonstrou – uma reação de empatia muito, muito forte com a situação e respeito por uma mãe que está em processo de luto pela perda de um filho.” O corpo do filhote passou por um processo natural de decomposição, e o zoológico se certificou de que isso não resultaria em problemas sanitários, para permitir à chimpanzé uma separação gradual da cria, até que se sinta preparada para tal. (trecho da reportagem da BBC News).

A reflexão trazida, portanto, não é por que animais podem se despedir de seu filho a seu tempo, e sim por que não permitimos que os seres humanos tenham mais tempo para lidar com a despedida dos seus.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais

Qual é o tempo NECESSÁRIO para se despedir de um filho?

Qual é o tempo NECESSÁRIO para se despedir de um filho?

A chimpanzé Natalia, de 21 anos, perdeu seu segundo filhote após 14 dias do nascimento e há mais de três meses ela o carrega consigo enquanto cumpre sua rotina diária.

Fases do luto?

Fases do luto?

A psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross publicou em 1969 o livro "Sobre a morte e o morrer", onde categorizou as reações psicológicas e as mudanças comportamentais de pacientes terminais, desde o momento

No mês das mães, como me definir neste papel?

No mês das mães, como me definir neste papel?

Refleti muito nos últimos dias sobre a maternidade e como me definir nesse papel, especialmente neste mês. Mãe enlutada, mãe de anjo, mãe de estrela... Percebi que, na busca por

 A coisa mais injusta com uma mãe que perde um filho

 A coisa mais injusta com uma mãe que perde um filho

A perda se acoplou em mim feito um parasita. Uma homeostase que parece perfeita. Um encaixe onde não se sabe onde começa um e termina o outro. Uma simbiose que

Ayla é a luz que ilumina nossos caminhos, é força, é motivação para não desistirmos.

Ayla é a luz que ilumina nossos caminhos, é força, é motivação para não desistirmos.

Minha amada e desejada menina. Ayla V. Gomes nasceu no dia 01/09/21, às 8:20 da manhã, pesando 3,260kg. Nasceu de parto normal induzido; infelizmente, houve negligência durante a indução e

Como será voltar ao trabalho?

Como será voltar ao trabalho?

Começo com esta pergunta, pois eu mesma me questionava: Como poderia ser normal voltar ao trabalho? Nada fazia sentido, nada parecia ser normal! Como encontrar sentido em retornar às rotinas